31.10.14

End of October



Mal acredito que Outubro já chegou ao fim, quando mais parece que estamos em Julho. Pelas ruas misturam-se os sinais de um Verão iniciado há pouco, e de um Outono a desenvolver-se simultaneamente. Há folhas pelo chão, noites mais longas e frescas e decorações de Natal em alguns espaços comerciais, mas no ar há um forte cheiro a sol (para mim, o sol tem cheiro) e na minha varanda rebentam morangos, manjericão e novos tomates. O Elffie procura as sombras e o chão fresco, de dia, e as mantas quentes, à noite. Toda esta mistura deixa-me um pouco confusa, mas tento deixar-me levar pelas surpresas que a natureza nos vai pondo à frente.
Outubro passou muito rápido, foi cansativo e trabalhoso, mas trouxe também sorrisos e boas promessas. Venha Novembro!

...

I can hardly believe that October is over already, when it looks more like July. In the streets there are mixed signs of a Summer that seems to have just started, and a Fall developing simultaneously. There are leaves on the ground, longer and chiller nights and Christmas decor in some shops, but in the air there's a strong smell of sun (for me, sunlight has a smell) and in my balcony strawberries are blooming, as well as basil and new tomatoes. Elffie looks for shadows and fresh floor by day, and warm blankets at night. All this mess makes me confused, but I've been trying to let myself go by all the surprises that nature has to offer daily.
October went so fast, it was very tiring and busy, but it also brought smiles and promises of good things. Let November come!



Para ler e reflectir | To read and think about:
::: O perigo de não seres tu mesma
::: A minimal approach to technology

Sigam-me no Instagram | Follow me on Instagram

29.10.14

Os livros têm uma existência própria...



"(...) Os espelhos vazios reflectem as salas e as jarras de flores. E depois, só depois, o vulto magro que caminha devagar, como se reconhecesse o terreno, uma e outra vez. E no entanto conheço tão bem a casa, os cantos, as sombras, os móveis, os objectos, os livros. Os romances do século dezanove. Os livros de poesia. E as estantes cheias de volumes encadernados que se encontravam aqui antes de mim, que eu folheei nos primeiros tempos, mas pareciam recusar-me, como se estivessem bem assim, fechados, adormecidos. Os livros têm uma existência própria mesmo quando ninguém os lê, ninguém os folheia, ninguém os cheira. E eu deixei-os continuar o seu sono, porque estavam no fundo da casa, faziam parte da alma primitiva da casa e não precisavam de mim (...)"

(Ana Teresa Pereira, in O Verão selvagem dos teus olhos)


(photo by me)

28.10.14

Mosaic Collection - new folded clutch



Fiz duas novas clutch deste modelo dobrável, que podem ser usadas de duas formas: como mala de mão pequena, ou como carteira a tiracolo, desdobrando para ganhar mais espaço. A inspiração foi a minha Mosaic Collection. Estão disponíveis no Espaço Anthrop, em Coimbra.

...

I made two new folded clutch, which can be used in two different ways: as small handbags, when folded, or as larger messengers, unfolded. Inspiration this time came from Mosaic Collection. They're for sale at Espaço Anthrop, in Coimbra.



Ref.: m236




Ref.: m237

21.10.14

Lately







Depois de uns dias em que o Outono parecia ter vindo para ficar, regressaram os dias de Verão em força, e não me consigo decidir quais prefiro. O tempo até me parece irrelevante, o que me apetecia mesmo eram dias de descanso, a outro ritmo, para me poder focar no que mais sentido me faz...
Tal como o tempo, oscilo entre o sonho e a realidade, num jogo de equilíbrios quase bipolar. Como a D. tão bem expôs, talvez o segredo não esteja nas muitas frases de incentivo ao sonho como finalidade, e o caminho certo seja o do meio, aquele que se compromete entre o que queremos e o que precisamos. Principalmente se não estamos certos de saber exactamente o que queremos. Talvez o meu problema não seja não saber o que quero, mas sim o querer algo que não me parece possível. Por outro lado, dizem que o universo nos dá o que pedimos, quando pedimos algo em concreto, mas se não soubermos bem o que pedir (ou como pedir o caminho do meio), em que ficamos? 

...

After some days when Autumn seemed to have come to stay, Summer days are back in their full strength, and I cannot decide which ones I prefer. Actually, the weather looks irrelevant for me, what I really wanted was a few days of rest, with a different rhythm, to be able to focus in what really makes sense for me...
Just like the weather, I dangle between dream and reality, in a game of balance that is almost bipolar. Like D. wrote, so well, maybe the secret is not in the many quotes of encouragement to dream as a purpose, but the right way is the one in the middle, the one that commits between what we want and what we need. Specially if we're not sure to know exactly what we want. Perhaps my issue isn't  not knowing what I want, but rather wanting something that does not seem possible. On the other hand, they say the universe gives us what we ask for, if we ask for something concrete, but, what if we're not sure about what to ask for (or how to ask for the middle way)?


Inspiration
::: video
::: story
::: post

20.10.14

My Soundtrack

(Photo by me)


Infinite arms (Band of horses) 
Broken nose (Jay-Jay Johanson) 
Paper aeroplane (Angus & Julia Stone) 
Babel (Massive Attack)

14.10.14

Lisboa








É sempre bom voltar a Lisboa, deambular pelas ruas sem rumo e tentar captar a sua luz inconfundível. O passeio foi curto, mas soube-nos mesmo bem!
...

It's always nice to go back to Lisbon, roam through its streets randomly, and try to capture its unique light. It was a short walk, but it felt really good!