19.11.19

15 years of Mundo Flo!


work in progress
 

O Mundo Flo celebra 15 anos de existência, e tem sido um percurso e tanto! Hoje vou-vos contar um pouco da história deste meu projecto:

O meu gosto pela arte têxtil remete à minha infância, em que aprendi a mexer nas lãs com a minha avó (um dos meus passatempos favoritos era desarrumar todos os seus novelos, e começar pequenos projectos em tricot e crochet, com a supervisão dela), e a costura com a minha ama (que era costureira e tinha todo um universo de agulhas, alfinetes, tecidos e linhas para explorar). Não sei ao certo quem me ensinou a bordar, mas penso que foi uma mistura dos ensinamentos destas mulheres e da minha mãe, algumas aulas da escola e a minha própria curiosidade. Lembro-me de adorar folhear o "Grande Livro dos Lavores" da minha mãe, e olhar para as secções de bordado e crochet, e das fotos me darem uma grande calma, quase como se já antecipasse o efeito que o fazer devagar tem em nós. Mas depois veio a adolescência e tudo isto ficou meio adormecido. Continuei a expressar a minha criatividade através da música, da pintura e da escrita, mas o fazer com as mãos ficou em hibernação.

Até que um dia, o sono terminou subitamente.  Não sei ao certo quando foi, mas sei que foi algures no Outono de 2004, tinha eu 25 anos. Vivia em Coimbra e estava a meio do meu mestrado em Ecologia, a estudar o habitat dos veados, a fazer muito trabalho de campo, e a precisar muito de procrastinar…  O gatilho foi um programa de televisão que vi por acaso, em que entrevistavram 3 makers da altura (numa época em que ainda não havia uma abordagem contemporânea ao tricot nem aos crafts, em que tudo ainda era visto como coisas de "avozinha", mas em que tudo estava prestes a mudar), e ter visto a irmã de uma amiga (mais nova do que eu) a tricotar um cachecol… De repente, senti uma grande vontade de voltar a mexer em todos os meus materiais e agarrei-me ao que encontrei. Na minha casa de estudante, tinha alguns tecidos de que gostava, entre eles um antigo cortinado da minha mãe com um padrão muito retro (eu adorava coisas dos anos 60 e 70), e foi assim que nasceu a mala nº1. Quase ao mesmo tempo criei a minha marca, pois encarei logo tudo como uma grande seriedade, para além de todas as prendas que comecei a fazer para a família e amigos.

...

Mundo Flo is celebrating 15 years old, and it's been such a journey! Today I'm going to tell you a little about this project's story:

My love for textile arts comes from my childhood, when I learned to work with yarn with my grandmother (I used to love spreading all her yarn balls, and start small knitting and crochet projects under her supervision), and sewing with my nanny (who was a seamstress and had a whole universe of needles, pins, fabrics and threads to explore). I'm not sure how I learned to embroider, but I think it was a mix of these women's teachings with my mother's lessons, some school classes and my own curiosity. I remember leafing through my mom's book about crafts at embroidering and crochet sections, and how looking at the pictures made me feel so calm, almost like if I could preview the effect that slow making has on us. But then adolescence came, and all this felt asleep. I kept expressing my creativity through music, painting and writing, but handmaking just went into hibernation.

Until one day, when it suddenly woke up from its long sleep! I'm not sure when it happened, but I know it was somewhere in Autumn 2004, when I was 25. I lived in Coimbra, and was in the middle of my master ship in Ecology, studying red deer's habitat, making lots of field work, and eager for some procrastination...The trigger was a tv show I happened to watch by chance, where 3 makers were interviewed (in a time when knitting or crafts weren't seen from a contemporary point of view, they were seen as "granny" stuff, but things were about to change), and watching my friend's sister (who was younger than me) knit a scarf. Suddenly I felt this urge to work with my materials again, and I just grabbed what I found. At my student's home I had some fabrics I liked, and there was this old curtain my mother gave me, with a very retro pattern (I loved things from the 60's and 70's), and so bag nº 1 was born. Almost at the same time, I created the brand, because I always took it very seriously, beyond all the gifts I started to make for family and friends.



Bag nº1 (2004)



Feira de Artesanato Urbano, Coimbra, 2009


O Mundo Flo começou por ser uma marca de "coisas feitas à mão" sem grande foco, pois fazia tudo o que me apetecesse e me lembrasse de ser capaz de fazer. Malas, bolsas, pregadeiras, cadernos, álbuns de fotografia, chinelos, gorros, … Mais tarde especializei-me nas malas, que foi o meu produto principal durante vários anos, ganhando vida através de colecções temáticas. 
Em 2015, a maternidade trouxe-me a vontade e necessidade de abrir espaço ao mundo infantil, e também a vontade de ter uma loja mais abrangente, com um universo de peças que honrassem as minhas fontes de inspiração e o meu estilo de vida: a natureza, as plantas e as árvores, o mar, a vida na cidade, os livros, a magia da infância. Uma loja de peças que nos ajudassem a organizar o dia-a-dia, mas também a aproveitar a beleza das pequenas coisas e a abrandar um pouco. 

...

Mundo Flo began as a brand of all things handmade, without much focus, as I used to make everything I felt like or anything that crossed my mind as possible to be made. Bags, cases, brooches, notebooks, photo albums, slippers, hats,... Later, I specialized in bags, which was my main product for a long time, getting life through thematic collections. 
Later on 2015, motherhood brought me the will and need to open space for children's world, and also the desire to have a wider range of products, that honored my sources of inspiration, and my own lifestyle: nature, plants and trees, the sea, life in the city, books, magic of childhood. A shop of goods that helped us get our day-to-day organized, but also enjoy the beauty of little things and slow down.



Spring/Summer 2009




Fall/Winter 2009/2010


Spring/Summer 2012



Seashore Collection, Fall/Winter 2012/2013


Mosaic Collection, Spring/Summer 2013


Photographic book cases, 2013


Mundo Flo at Humus store, Leiria, 2013




Doodles Collection, Fall/Winter 2015/2016


Aos poucos fui ganhando clientes e, por ter encarado isto sempre com muita seriedade e compromisso, fui construindo a marca de forma mais ou menos consistente, com o objectivo crescente de a tornar algo mesmo importante na minha vida. Foram 15 anos de trabalho contínuo: 3 em modo estudante, a brincar com a criatividade; 8 em modo trabalhadora por conta de outrém, a desenvolver tudo 1 h antes de sair para o emprego, e ao fim-de-semana; 4 em modo maker a tempo inteiro, mas também como mãe recente, com todo um novo equilíbrio para conquistar.

...

Slowly I got more and more customers and, because I've always been so seriously and committed about this, I think I've built a consistent brand, with the growing goal of making it a very important part of my life. It's been 15 years of continuous work: 3 as a student, playing around with creativity; 8 as a full time employee, working 1 hour before leaving for my day job and on weekends; 4 as a full time maker but also as a new mom, with a whole new balance to conquer. 



The studio, 2008


The studio, 2012



The studio, 2019


Assisti a muitas mudanças no mercado, e também no mundo da internet. Comecei quando os blogs ainda eram pouco conhecidos em Portugal, com o meu próprio blog "O tempo e o deserto" (que tinha criado na Primavera de 2004, para partilhar as minhas fotos e inspirações); e também com o Flickr, onde conheci muitas pessoas criativas, muitas das quais acompanho ainda hoje noutros locais; apareci em algumas revistas (que na altura ainda eram a principal fonte de inspiração), e  fiz parte de plataformas digitais como o Etsy ou o Pinterest desde o seu início; assisti ao nascimento do movimento "artesanato urbano" e também ao desaparecimento de muitos dos projectos que aí tinham surgido como cogumelos; fiz algumas feiras e mercados, estive presente em lojas físicas pelo país; entretanto surgiram o Facebook e o Instagram, e toda uma nova vaga de marcas e lojas on-line, bloggers e influencers
Por aqui, fui mudando também, como é natural uma pessoa mudar em 15 anos, mas devagar e gradualmente. O que era inicialmente um side project, tomou a forma de um sonho muito real, que se transformou num estilo de vida. Hoje o Mundo Flo traz consigo todos estes anos de perseverança e resiliência (ou obstinação e teimosia), em que nunca duvidei de querer continuar a fazer à mão, em pequena escala, peças únicas e personalizadas, diferenciadas pela qualidade e detalhes especiais.

...

I've watched many changes on the market, and also on the internet world. I started when blogs weren't very popular in Portugal, with my own blog "O tempo e o deserto" (which I had created in the Spring of 2004, as a way of sharing my photography and inspirations), and also with Flickr, where I met so many creative people, some of them I keep following these days, somewhere else; I was in some magazines (those days, the main source of inspiration), and was part of digital platforms like Etsy and Pinterest from their beginning; I've watched the birth of "urban crafts" movement and also the end of so many projects that came with it like mushrooms; I was in some fairs and markets, and also stores around the country; then came Facebook and Instagram, and a whole new era of online shops and brands, bloggers and influencers...
Around here things have changed as well, as naturally as a person changes through 15 years, but on a steady and slow pace. What started as a side project took the shape of a very real dream, that ended up turning a lifestyle. Today Mundo Flo brings with it all those years of perseverance and resilience (maybe willfulness and stubbornness), and I never doubted I wanted to make things with my own hands, in small scale, all one-of-a-kind and customized, differentiated by quality and special details. 




Lullaby Collection,  2016-2019





Soul Garden Collection, 2017-2019


Pelo meio aprendi muito sobre a vida, sobre mim, sobre a sociedade. Enfrentei, à minha maneira pacífica, vários obstáculos, e cresci com eles. Hoje vejo tudo o que corre menos bem como uma lição nova (ou velha) a aprender.
Remar contra a maré e contra muitas crenças bem enraizadas sobre o mundo do trabalho, o nosso valor nele e a forma como devemos construir a nossa vida trouxeram-me o medo da escassez e do desconhecido (meu e dos que me rodeiam), muitos momentos de solidão, e a sensação de incompreensão e desajuste, principalmente depois de perdido a rede de segurança de um emprego "tradicional", mas todos eles me ajudaram a definir melhor os meus valores e a lidar melhor com a minha ansiedade. Graças a eles, hoje sou uma pessoa mais tranquila, mais intuitiva, mais segura das minhas capacidades e dos meus limites, e muito mais grata. Abracei a minha introversão e aceitei que a minha forma de fazer as coisas não é a de muitas outras pessoas nem aquela que está estabelecida como o "único caminho para o sucesso". Aceitei também o meu próprio ritmo, a minha "lentidão" como uma força, e não uma fraqueza. Aprendi que é mesmo verdade que a vida começa a fluir melhor quando paramos de nos negar a nós mesmos e começamos a fazer aquilo que nos traz vitalidade. E, o melhor de tudo, percebi que não estou só! Que há outras pessoas como eu, a viver fora da "matrix" :)

...

Along the way, I have learnt so much about life, myself and society. I have faced many obstacles, my own peacefull way, and I have grown with them. Today, I see everything that goes less well as a new (or old) lesson to learn.
Rowing against the current and against many deep-rooted beliefs about the work world, our value in it and how we should build our life, has brought me the fear of scarcity and the unknown (mine and of those around me), many moments of loneliness, and the feeling of misunderstanding and misfit, specially after loosing the "safety net" of a traditional day job, but all of them have helped me define my values and deal with my anxiety. Thanks to them, I'm a more peaceful person today, more intuitive, more aware of my abilities and limitations, and much more grateful. I have embraced my introversion and accepted that my way of doing things might not be the same as everybody else's nor the one seen as "the only path to success". I have accepted my own rhythm and slowness as a strength rather than a weakness. I have learnt that it is really true that life starts flowing better when we finally stop denying ourselves and start following what gives us vitality. And, the best of all, I have learnt that I'm not alone! There are other people like me, out of the "matrix" :)

 



2006


A minha maior ambição é poder continuar a fazer o que gosto, ao meu jeito, e continuar a ter os melhores clientes do mundo, aqueles que estão alinhados com a minha visão! O resto fluirá...
Muito obrigada por me acompanharem e por me apoiarem das mais variadas formas ao longo destes anos! Parabéns ao Mundo Flo e que venham mais 15!

Nas próximas semanas vou ter algumas surpresas por aqui e no Instagram, estejam atentos!

...

My greatest ambition is to be able to keep doing what I love, on my way, and keep having the best clients of the world, aligned with my vision. Everything else will flow...
Thank you so much for being there with me on this journey, and for supporting me in so many ways! Happy birthday Mundo Flo, and let 15 more come!

On the following weeks I'll have some surprises around here and on Instagram, stay tuned!

13.11.19

New retailer: Mundo Flo @ Inédita Handmade (Albufeira)


Refs.: bl138-143


Atenção Algarve e arredores, o Mundo Flo tem um novo ponto de venda! É com prazer que anuncio que agora já podem comprar algumas das minhas peças na Inédita Handmade, em Albufeira (e também online). Chegou há pouco uma grande remessa de bolsas para documentos, bolsas para cartões, porta-moedas e estojos para lápis, todas únicas e feitas com o amor e detalhe de sempre ♥.

...

Attention Algarve and surroundings, Mundo Flo has a new retailer! I'm very happy to announce that you can now find some of my work at Inédita Handmade, Albufeira (and also online). There are lots of documents cases, cards cases, coin purses and pencil cases, all one-of-a-kind and handmade with the usual love and detail ♥. 


Inédita Handmade
Travessa dos Telheiros, 2 - B
8200-212 Albufeira





Refs.: bl144-151


Refs.: bl152-157


Refs.: bl158-159




7.11.19

Lullaby Collection: yellow bird backpack


Já fiz esta mochila há algum tempo, a pensar numa menina pequenina, mas que em breve irá ser suficientemente crescida para a levar consigo para todo o lado. Misturei o linho amarelo com as alças cor-de-rosa para a tornar mais divertida, e nunca me canso de desenhar pássaros, de preferência cheios de flores à volta.

...

I made this backpack a while ago, thinking about a little girl that will soon be grown enough to carry it with her everywhere. I mixed yellow linen with fuchsia straps to make it fun, and I never get tired of drawing birds, preferably with lots of flowers around.
 





Ref.: m307

1.11.19

About October


Outubro e a sua bonita luz. O Outono na cidade. Muita gratidão por todas as aprendizagens que tenho feito, mesmo nos dias mais difíceis. O último fôlego antes de mergulhar em trabalho até ao final do ano. Lembrar de aproveitar o momento, sempre. Bem-vindo Novembro!

...

October and its beautiful light. Autumn in the city. So much gratefulness for all the lessons I've learnt, even on tougher days. A last breath before diving into work until the end of the year. Remember to enjoy the moment, always. Welcome November!


29.10.19

Custom order: "Nature Club" case


Quando digo que as minhas capas multi-usos são feitas para amantes da natureza, quero mesmo dizer qualquer amante da natureza, dos 0 aos 100 anos! Esta encomenda foi-me feita por uma mãe para a sua filha de 1 ano. Para incentivar a filha a apreciar a natureza, a aprender a observá-la e a cuidá-la, a mãe criou esta ideia de um "clube da natureza", e pediu-me uma capa para transportar um caderno, alguns lápis e canetas, talvez uma lupa e algumas folhas que fossem colhendo pelo caminho. Para facilitar o transporte, pediu-me para lhe acrescentar uma alça para levar a tiracolo, que fiz num comprimento um pouco mais pequeno e ajustável, para que a capa possa ser usada à medida que a menina vai crescendo. 
Era tão bom que todos os pais se dedicassem a passar este tipo de valores aos seus filhos desde pequeninos,  ajudando assim as gerações futuras a trazer ainda mais esperança ao Planeta e à Humanidade!

...

When I say my multi-purpose cases are made for nature lovers, I really mean every nature lovers, from 0 to 100 years old! This custom order was placed by a mother of a 1 year old girl. In order to encourage her daughter to love nature, learn to observe it and take care of it, her mom created this "nature club", and asked me for a case to carry a notebook, some pencils and pens, maybe a magnifying glass and some leaves they might collect along their exploration trips. To make it easy to carry, she asked me to add a leather strap, which I made in a shorter, adjustable version, so the case can be worn as the girl grows up. 
It would be so good if all the parents dedicated some time to passing on these kind of values to their children from a young age, thus helping future generations bring even more hope to planet Earth and Humankind!







Ref. el86

25.10.19

Lately, Fall days











Outono... um conceito que, na ideia, tem tanto de bonito mas, na prática, outro tanto de desafio. Quando o frio aperta e os dias se tornam mais curtos, todo o corpo grita por atenção. Mas o trabalho é muito e páro menos para respirar, ou tenho dias de paragem forçada por causa das viroses que nos batem à porta, e, sem querer, dou por mim a afastar-me mais da natureza e do seu poder regulador. Percebo-o quando me sinto a flutuar sem sentir os dias a passar, quando subitamente todas as árvores já mudaram de cor ou quando simplesmente a mente não pára e a ansiedade aumenta. O remédio é mesmo sair e sentir a estação através da pele, sintonizar-me com ela. Parar para observar a luz à minha volta, saborear um pequeno-almoço mais quente, e pensar no que me faz adorar esta altura do ano. Aceitar que sou cíclica e que, também eu, preciso desta transição. 

...

Fall... a concept that in my mind is so beautiful but in practice is so challenging as well. When temperatures decrease and days get shorter, all my body screams for attention. But there's so much work to do and I stop for breathing less, or days become forced downtime because of all the viruses that knock at our door and, unintentionally, I find myself moving away from nature and its balancing power. I notice it when I feel myself floating through days going by, and suddenly all the trees have changed their colors or my mind just won't stop and anxiety increases. The best remedy is to go out and feel the season through my skin, tune in to it. Stop to notice the light around me, taste a warmer breakfast and think about what makes me love this season so much. Accept that I am cyclical and I, too, need this transition.